10 set

A enfermeira Vanessa Faleiros ministrou na manhã desta segunda-feira (10/09), no anfiteatro da Network, a palestra prevenção do suicídio. O tema foi abordado aos estudantes do Ensino Médio do Colégio. De acordo com estatísticas, 12 mil jovens cometem suicídio anualmente. Os transtornos mentais são tratáveis.

“Ninguém quer morrer, até porque ninguém sabe como é pós-morte. Cientificamente é impossível que alguém morra e volte para comentar”, disse a enfermeira, que veio a convite da profª. Tati Tanner.

Em outras palavras, o suicídio é uma mistura de solidão, desespero, culpa, sofrimento… Ou seja, o suicida espera uma luz no fim do túnel. Para Vanessa, ainda existe um tabu sobre esse tema. “Não é um assunto comum que a gente costuma sentar e conversar. Por exemplo, até sexo é discutido com naturalidade, diferente do suicídio, que é considerado sinônimo de fracasso. Essa é uma realidade que precisamos mudar, pois todo suicida apresenta alguns sinais de que está necessitando de ajuda”.

E ela destacou a ambivalência, uma ‘guerra’ interna, envolvendo os sentimentos de conflito e solidão que pairam sobre quem pensa em cometer suicídio. “A pessoa busca uma saída, uma forma de evitar o sofrimento. Isso não significa que ela queira morrer, e sim se livrar dos problemas”.

Trata-se de saúde pública, e por meio do Disk 188 é possível obter ajuda via CVV (Centro de Valorização da Vida). O serviço de apoio emocional e prevenção do suicídio é gratuito.